A Caixa Econômica Federal anunciou mais uma rodada de medidas para atenuar os efeitos da pandemia de covid-19 na economia e minimizar, por exemplo, a possibilidade de aumento dos calotes com o fim da pausa dos pagamentos dos financiamentos para a pessoa física. Ontem, o presidente do banco, Pedro Guimarães, anunciou uma nova redução da taxa de juros para a pessoa física, a possibilidade de pagamento parcial das parcelas e a ampliação do prazo de carência para início de pagamento para imóveis novos.

Pelos cálculos do banco, as medidas devem envolver R$ 83 bilhões e pode atender 830 mil famílias. O vice-presidente de habitação da Caixa, Jair Mahl, ressaltou que esse pacote não compromete a situação financeira do banco, que, na avaliação dele, é “tranquila” do ponto de vista de capital e liquidez. “Talvez a Caixa nunca tenha experimentado gestão tão austera do aspecto de controle de capitais”, frisou Mahl.

O vice-presidente destacou que o banco é o mais líquido do mercado e que não empresta recursos a grandes companhias. “Concentramos naquilo que sabemos fazer”, disse, citando o crédito imobiliário e para micro e pequenas. “Estamos muito tranquilos do ponto de vista de capital e índice de liquidez.”

Com as medidas anunciadas ontem, a partir do dia 22, a taxa de juros do financiamento imobiliário atrelado à TR passará de algo entre 6,5% e 8,5% mais TR para 6,25% e 8% ao ano mais TR. O banco estima conceder mais de R$ 14 bilhões em crédito imobiliário com recursos da caderneta de poupança até o fim do ano.

Além disso, a Caixa vai permitir o pagamento parcial das prestações para apoiar as famílias com dificuldade de retomar o pagamento integral de encargo social. O pagamento parcial pode ser de 75% da prestação por até seis meses ou entre 50% e 75% da prestação por até três meses. O percentual que não for pago será incorporado ao saldo devedor do mutuário. Mais de 620 mil clientes poderão ser beneficiados com a medida.

Também foi anunciado a ampliação da carência de pagamento, por seis meses, para novos contratos firmados até o dia 30 de dezembro. A medida pode atender mais de 30 mil clientes até o fim do ano. Além disso, em outubro e novembro, serão feitos feirões da casa própria on-line. A Caixa disse que, a partir do dia 19, os clientes poderão contratar o financiamento imobiliário de forma 100% digital pelo aplicativo Caixa Habitação.

Ontem, o presidente da Caixa comemorou o fato de a carteira de crédito imobiliário do banco ter atingido a marca recorde de R$ 500 bilhões em outubro, fazendo com que o “market share” da Caixa nessa modalidade chegasse 69,3%. O crescimento foi de 13,4% ante janeiro de 2019 - R$ 441 bilhões.

Segundo Guimarães, houve um crescimento da carteira, em especial durante a pandemia, devido às medidas já anunciadas pelo governo para atendimento do setor habitacional. “Essa é uma demonstração do foco da Caixa nesse segmento relevante para o país. Depois do segmento agropecuário, o imobiliário foi o que sentiu menos a pandemia”, afirmou Guimarães, em coletiva. Desde o início do ano passado, a Caixa concedeu R$ 172 bilhões em crédito imobiliário.


Fonte: Valor Econômico - Finanças, por Edna Simão - Brasília, 15/10/2020