Lançado em abril, o financiamento indexado pela poupança para incorporadoras deverá se tornar, ainda neste ano, a principal linha de crédito imobiliário para pessoa jurídica no Itaú BBA.

Em quatro meses, o volume concedido ou em processo de contratação na modalidade soma R$ 1,3 bilhão. Outros R$ 650 milhões estão em fase de negociação avançada e devem ser fechados até o fim deste ano ou no início do próximo. “Dentre as alternativas que oferecemos, essa foi a que ganhou mais tração e a gente espera que a linha se torne o carro-chefe até o fim do ano”, afirmou Thales Silva, diretor de crédito imobiliário a pessoa jurídica do Itaú BBA, ao Valor.

A linha era uma demanda das incorporadoras diante da queda da Selic. Ao mesmo tempo, é positiva para o banco por casar melhor o funding da poupança com a taxa de financiamento dos projetos, do que os contratos atrelados à Taxa Referencial (TR).

Ontem, o Itaú Unibanco deu um novo passo ao lançar o crédito indexado pela caderneta também para pessoas físicas. De acordo com Silva, foi uma demanda das próprias empresas do setor, que veem na linha uma possibilidade de impulsionar as vendas, já que a taxa para o cliente final é mais baixa, hoje, do que as oferecidas no crédito atrelado à TR. “Ajuda a suportar a agenda de crescimento dos nossos clientes”, disse.

As linhas tradicionais do Plano Empresário, corrigidas pela TR, continuam sendo oferecidas às incorporadoras e algumas ainda preferem essa modalidade, com a qual estão mais familiarizadas. O objetivo, afirmou Silva, é oferecer alternativas.

Segundo Miltom D’Avila, superintendente de crédito imobiliário do Itaú BBA, o crédito imobiliário a pessoas jurídicas está sendo retomado, depois de ter parado logo no início da crise, e as empresas começam a desengavetar lançamentos. “Os projetos já estão voltando para a mesa”, acrescentou Silva.

Dados da Abecip, associação das instituições financeiras que atuam no setor, apontam que o crédito à construção totalizou R$ 11,902 bilhões entre janeiro e julho no Brasil. As concessões do Itaú para empresas do segmento somaram R$ 1,399 bilhão nesse período.

O atendimento ao setor imobiliário para pessoas jurídicas foi transformado no fim do ano passado em uma área de negócios do Itaú BBA, responsável pelo atendimento a esses clientes não apenas no crédito, mas também, por exemplo, em operações no mercado de capitais.

 

Fonte: Valor Econômico - Finanças, por Talita Moreira - São Paulo, 11/09/2020