Discursando no evento de inauguração da nova sede da APeMEC, o engenheiro Flávio Aragão, presidente do Conselho, afirmou que,  depois de quinze anos, com trabalho e dedicação, a entidade passou a ser respeitada e lembrada por todos que atuam na construção civil, especialmente obras públicas.

Para Aragão, “não foi fácil iniciar, num momento delicado politicamente com a transição de administradores na Prefeitura de São Paulo, com pagamentos atrasados, que se tornam fatais para a sobrevivência das pequenas e médias empresas.  Segundo o presidente do Conselho, “isto ocasionou a união de empresários, por iniciativa do vice-presidente Adauto Perazza para, em grupo, atuarem com determinação para a fundação da APeMEC. Este inÍcio mostrou a todos o acerto da decisão , exigindo muito trabalho para divulgar aos órgãos públicos o nascimento de uma entidade para representar as pequenas e médias empresas”.

Falou que foram muitas audiências com secretários, prefeitos, vereadores, deputados, e associações de classe que também atuavam no mesmo setor. E acrescentou: “Assim caminhamos para somar com as entidades existentes, sempre divulgando a necessidade de espaço para as pequenas e médias. Pleiteamos o reconhecimento como empresários e não como subempreiteiros. Crescemos e somos hoje recebidos por todos em condições iguais como entidade que agrega valor e contribui para o fortalecimento da representatividade institucional junto aos governos em geral”.

O engenheiro  foi mais além: “Os nossos ideais permanecem inalterados, mostrando que junto seremos sempre fortes e respeitados, mas isoladamente como pequenos e médios, sempre seremos inexpressivos. Tenho orgulho de ter participado como presidente por oito anos, no período de 2002/2010, e atualmente como Presidente do Conselho juntamente com a Diretoria Executiva e Conselheiros, buscar a união e o respeito na defesa dos interesses de todos os associados. O alinhamento com todas as entidades representativas da Construção Civil é um objetivo permanente para, unidos,  defendermos o fortalecimento empresarial do nosso setor”.

Aragão afirmou que “tudo isto é passado e já faz parte da nossa História. Hoje temos a alegria pela inauguração da sede própria, fruto do esforço conjunto de toda a diretoria e empresas contribuintes. Ela representa a certeza da continuidade no futuro, independente das condições políticas e  de mercado. ” E acrescentou: “Atualmente estamos escrevendo  mais um importante capítulo da nossa  redemocratização a partir da Constituição de 1988. Estamos, povo e empresários, pagando um custo elevado pelos desmandos dos governos recentes. O desemprego crescente com onze milhões de brasileiros, com empresas fechando ou reduzindo drasticam ente suas atividades e o nosso setor contribuindo com esta estatística”.

                                                    Postos de trabalho fechados

O presidente do Conselho da APeMEC lembrou a insatisfação dos empresários da construção civil, medida pela CNI/CBIC está abaixo de 40 pontos. Foram fechados, em 12 meses, 467 mil postos de trabalho. A intenção de investir na construção está no nível mais baixo da série histórica, em 23,4 pontos quando há dois anos era de 49,5 pontos. Atualmente, temos elevadas taxas de juros, demanda quase inexistente, inadimplência, elevada carga tributária e falta de capital de giro. Citou que, no setor de obras públicas, inúmeras obras contratadas estão sendo paralisadas por falta de recursos após os contratantes prometerem que não faltariam recursos para  sua conclusão.

Flávio Aragão disse que, com todas estas dificuldades, acredita que a mudança no comando político,  com novo Presidente, apesar de interino, e  a nova equipe de Ministros, a esperança por melhorias no médio prazo certamente ocorrerá retornando novo ciclo de desenvolvimento que esperamos ser sustentável por longo período. E finalizou: “Por último, informamos que a APEMEC, alinhada com o que vem ocorrendo na “Operação Lava Jato”, estará divulgando nos próximos dias uma “Proposta de Medidas para Aprimoramento da Relação Público-Privada na Construção Civil” com objetivo de orientar os associados e demais empresas a terem cuidados especiais na contratação de obras e serviços com órgãos públicos ou privados. Assim,  esperamos contribuir para que os usos e costumes até aqui existentes sejam alterados, e que renasçam melhores condições para trabalharmos com mais segurança”.


Fonte: APeMEC, 24/05/2016